Destaque

Gatos e bebês

Já durante a gravidez, é comum surgirem dúvidas relacionadas ao convívio do bebê com os animais de estimação. Uma delas é quanto a presença dos gatos em casa. Os felinos têm uma fama injusta de serem traiçoeiros, não tão amigáveis quanto cachorros, além do medo que as pessoas tem da toxoplasmose - geralmente por falta de informação. Mas é possível sim bebês e gatos conviverem em harmonia, sem risco nenhum. É preciso apenas um pouco de informação e alguns cuidados.

Fonte da imagem: http://guiadobebe.uol.com.br/media/34ad50a078034005bf59c303a94e106e/01/bebe-com-chupeta-na-boca-dentro-de-um-cesto-e-um-gato-curioso-olga-bogatyrenko-shutterstock-00000000000040AF.jpg

Muitas pessoas na hora de aumentar a família humana, acaba deixando de lado sua família felina. Não é difícil vermos pessoas querendo doar os seus ronrons porque terão um bebê, alegando que o gatinho pode oferecer riscos à criança. Os gatos domésticos, principalmente os que são criados totalmente indoor, não tendo contato com outros animais, possuem alimentação adequada e tem as vacinas em dia, dificilmente apresentarão risco à saúde do bebê quanto ao contágio de doenças.


A toxoplasmose é a principal preocupação das grávidas. No momento da gravidez é importante conversar com o médico e, preferencialmente, fazer todos os testes necessários na mãe e nos ronrons da casa, para diagnosticar a possibilidade de toxoplasmose. Se o gato tiver sempre sido criado dentro de casa, sem contato com areia de outros animais contaminados, e mantiver uma alimentação saudável (sem ingerir carne crua e alimentos contaminados), as chances de ele ter toxoplasmose são mínimas. Há um exame chamado sorologia ou PCR, que diagnosfica a toxoplasmose no gato - doença que tem tratamento.


É importante, durante a gravidez, a mulher ter alguns cuidados a mais quanto à higiene, como lavar muito bem as mãos e os alimentos antes de comer; tentar não manusear as fezes dos gatos, ou utilizar luvas para limpar a caixinha de areia, mexer no jardim, e lavar muito bem as mãos após; a caixa de areia deve ser limpa pelo menos 2x por dia, bem como potes de comida e água. É sempre válido redobrar os cuidados nesse momento.


Lembrando que apenas 1% dos gatinhos transmite a toxoplasmose e, para isso, eles precisam estar doentes e, principalmente, na fase de eliminação dos oocistos. Não são todos os felinos que tem predisposição à doença. Para que ocorra transmissão para o gato, é necessário que ele coma a carne que contenha os cistos do toxoplasma. Na maioria dos casos, são animais que tem acesso à rua e que estão com seu sistema imune comprometido. É importante saber que adquirir toxoplasmose de gatos é muito raro e ele não é a principal fonte de transmissão.