Destaque

Mudando de cidade com 5 gatos

Na hora de mudar de casa ou cidade, uma de nossas maiores preocupações é o bem estar dos nossos bichanos, pois sabemos o quão estressante é todo esse processo pra eles. É fundamental planejar a viagem com antecedência, bem como preparar o novo lar para a chegada dos ronrons.

Hoje recebemos o depoimento da Manuela Fonseca, adotante e ex-voluntária do Adote um Ronrom, que se mudou recentemente de Florianópolis pra Porto Alegre, e claro, seus cinco filhos felinos foram junto. A Manu conta um pouquinho de como foi essa experiência:

Imagem disponível em: Cats_White_Suitcase_471471

Viajando 500 quilômetros com cinco gatos:

Oi, gente! Eu sou a Manuela, adotante da River (ex-Gaia) e ex-voluntária do projeto Adote um Ronrom. No final de junho, eu recebi uma proposta de emprego em Porto Alegre que me fez mudar com os meus cinco gatinhos (Gaia, Buffy, Lilith, Chuchu e Robb), e hoje vim contar para vocês como foi esse processo :)

Quando eu recebi a proposta de emprego, a empolgação inicial logo deu lugar ao pensamento "puts, e mudar de estado com cinco gatos?". A segurança e conforto deles era uma das minhas principais preocupações, então fui pesquisar alternativas que reduzissem ao mínimo o stress da transição para eles.

A primeira questão que levantei foi em matéria da mudança (a dos móveis, mesmo). Queria evitar ao máximo estressar os pequenos antes do momento de tirá-los do apartamento. Então, separei em um quarto todos os pertences dos felinos e os próprios, deixei água, comida, carteira de vacinação, cobertores (sem lavar, pois considerei importante eles sentirem o próprio cheiro) e caminhas. Enquanto eles estavam lá, seguros e escondidos do barulho e das pessoas estranhas empacotando minha casa inteira, fiquei acompanhando o carregamento do caminhão de mudanças.

Depois, veio a viagem deles em si. Cheguei a orçar um serviço de transporte de pets, mas saiu tão caro que a mudança de todos os meus móveis com seguro foi mais em conta (!). Ou seja, seríamos nós seis num carro. Convidei a minha irmã para ser co-pilota na viagem para evitar a situação "os gatos estão surtando, estou sozinha dirigindo, olhei pra trás e bati o carro". Sabe como é, pode a