Destaque

Depoimento da adotante: Sansa


Sabe quando um ronrom entra na nossa vida e faz ela mais feliz? Mas dai um dia, infelizmente ele se vai e daí fica aquele vazio no nosso coração? Com certeza esse nosso bichano não iria gostar de ver a gente triste, e a melhor coisa que se tem a fazer é adotar outro gatinho (não que ele vá ficar no lugar daquele que se foi, mas com certeza vai nos ajudar a superar), ainda mais quando você não consegue mais viver sem um bigodudo enchendo suas roupas de pelos e transbordando sua vida de amor. Hoje iremos mostrar o depoimento da Gabriela Althoff que adotou a nossa laranjinha Sansa:


"Minha vida mudou quando há dois anos um gatinho foi abandonado em frente à minha casa, e eu e meu namorado o resgatamos! Me apaixonei por ele, mas meses depois ele fugiu... Morávamos em casa e ainda não éramos adeptos à telas! Na procura dele, resgatei quatro filhotes e acabei ficando com um, que nos deixou em abril de 2016. Eu não sabia mais viver sem gatos! E precisava de um o mais rápido possível! Já tinha ouvido falar do projeto, porque um vizinho é voluntário, o Thiago. Mas precisava marcar entrevista, aguardar dias até a chegada do novo integrante da casa, e minha dor precisava ser preenchida com outro gatinho naquele exato momento! Entrei de madrugada no Facebook, encontrei uma protetora e no dia seguinte o Jack chegou na minha casa. Queríamos um filhote, mas o Jack com seus 7 meses de puro carinho nos escolheu e veio morar com a gente! É o nosso dragãozinho negro, super amoroso e carente! Trabalhamos em casa, então nosso ronrom ganhava atenção 24 horas por dia, mas nos finais de semana sofria com a nossa ausência quando saíamos de casa por algumas horas ou por até 1 ou 2 dias. Quando chegávamos ele miava por horas, bem alto, mostrando sua indignação. Foi aí que resolvemos adotar mais um! E aí, com mais calma, entramos em contato com o Adote um Ronrom. Sempre amei laranjinhas, e por coincidência, uma linda laranjinha estava sendo socializada e entraria para adoção em alguns dias. Fomos até à casa do projeto e foi amor a primeira vista. Me apaixonei pela Sansa! Decidimos na hora que ela seria nossa e duas semanas depois ela chegou na nossa casa. Já estava tudo preparado para a chegada dela: Feliway, potinhos, caixinha...


Ela chegou bem assustada, e digamos que até hoje ela ainda é assim! Ama carinho, mas só conseguimos a proeza de tocar nela quando está sonolenta e preguiçosa demais para fugir! Rs. Com o Jack, agora, é só amor. No início era "fuuuu" pra todos